Instantes

O céu de Ícaro tem mais poesia que o de Galileu ? *

O que você faria se só te restasse um dia?

Se o mundo fosse acabar, me diz o que você faria ?

Abria a porta do Hospício

Trancava a delegacia

Dinamitava o seu carro

Parava o tráfego e ria

Paulinho Moska

Domingos de Oliveira no filme Separações  fala que a verdadeira liberdade do homem não é seguir seus impulsos e sim suas escolhas . Porém,  dificilmente essas duas coisas caminham juntas : Uma vez que escolho algo, meus instintos são sufocados de alguma forma.  Escolha e limitação estão sempre entrelaçadas. Qualquer que seja a trilha escolhida , segue dentro de mim uma oportunidade que ficou para trás . Posso ser eternamente grata pelas escolhas que fiz,  , mas inevitavelmente fica um buraco inacabado.

O que aconteceria se fossemos totalmente livres? Sem amarras , sem leis , sem o amanhã? De longe essa idéia parece um sonho, mas se aproximarmos nosso olhar um pouco mais , estamos frente ao caos. Existe algo no limite que me protege, que me ampara , inclusive de mim mesma. Dos meus impulsos. Somos feitos de som e fúria, assim como a vida.

Em O Mal estar na Civilização , Freud sinaliza a importância das leis para a construção da sociedade . Estas seriam responsáveis por frear os instintos agressivos . Esse sentimento nos impulsiona para ir adiante e  lutar . Agressividade é vida : Não se coloca um filho no mundo sem fazer força, e nem terminamos uma maratona ou aprendemos a nos defender sem ela. Também é preciso uma dose de agressividade  para lutar contra uma doença . Por outro lado,  esse sentimento  pode ferir o outro e a mim mesmo .

Existe no homem uma disposição para  tornar-se bárbaro . O indivíduo civilizado trocou  uma parcela de suas possibilidades de felicidade, por uma parcela de segurança – disse Freud nesse mesmo texto

A cultura nos ajuda á transformar nossos instintos . Por exemplo, estou com raiva , descarrego nos esportes , vejo um filme de ação e satisfaço meu desejo de extravasá-la.

 As mesmas leis que nos aprisionam possibilitam a construção de algo . Sem paredes nada se constrói. De alguma forma, nossa sociedade pôde se desenvolver a partir de regras , elas impedem que não fiquemos tão ameaçados. Afinal, como sabemos , o Homem é o lobo do homem .

 Uma certa dose de limite nos torna menos desamparados , menos expostos.  Para ser livre , devo respeitar algumas regras. Renato Russo dizia que disciplina é liberdade. Concordo. A disciplina nos ampara . Uma boa alimentação  garante uma vida mais saudável.  Falar tudo que penso ás vezes pode  machucar pessoas que gosto. Beber  excessivamente por vezes  traz culpa e ressaca moral . Dirigir em alta velocidade pode causar acidentes. Estudar no tempo certo, garante férias mais longas.

Na mitologia Grega, Dédalo para sair do Labirinto, constrói asas para seu filho Ícaro . Mas lhe diz, não voe muito alto ,perto do sol -pois elas podem se derreter. O filho deslumbrado com a possibilidade de voar, vai muito longe , se aproximando demasiadamente do calor e perde a vida .  Devemos fazer bom uso de nossas asas, para não nos machucarmos .

É só pensarmos nos adolescentes , no quanto  um excesso de liberdade pode trazer consequências irremediáveis. Um jovem sem limite pode se tornar extremamente destrutivo. Isso por que a juventude é dotada de muito poder e onipotência . Por isso quando jovens, flertamos muitas vezes com situações de risco , achando que somos maiores e mais poderosos que os pais ou que qualquer figura de autoridade , até mesmo maiores do que a morte .

Existe também um pensamento que liga a loucura a liberdade, á inconsequência , aos atos . No entanto se é prisioneiro de uma dor incomunicável e intransferível , isso nada tem de livre . O distúrbio psiquiátrico é a meu ver, uma das mais dolorosas doenças , não compartilhada, solitária, triste . Falo isso com conhecimento de causa, durante sete anos trabalhei no Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas.

Numa instalação em Nápoles, Marina Abramovich colocou um cartaz com os dizeres: Façam comigo aquilo que quiserem, rodeada por  uma série de objetos aleatórios , dentre eles um revólver e um batom. A instalação teve fim com a interferência policial, após uma pessoa lhe apontar a arma. O que nos faz pensar no quanto a vulnerabilidadade e a fragilidade  do outro pode despertar os mais diversos sentimentos. Se você me autoriza , até onde posso ir ?   E se você for autorizado até onde pode ir?

Os apaixonados sofrem desse mal, quando se entregam deliberadamente  por vezes despertam no objeto amado uma relação de domínio e desprezo . Ou seja, essa entrega para o outro por vezes desperta nele  sentimentos hostis. Deve ser por isso que depois de um certo tempo nos entregamos com mais reserva, diferentemente do primeiro amor. É preciso que sobre um pouco de mim . Que você não me use a torto direito . Pois uma entrega excessiva pode ser fatal.

 Porém , falar de amor inevitavelmente abriga a idéia da coragem da entrega . Coisa rara . O amor sempre traz consequências. Talvez a liberdade do amor implique em aprender com essas consequências .É preciso sair de si sem covardia, para que esse aprendizado ocorra. Sem nos aprisionarmos ao ressentimento, quando essa história acabar.

 

PUBLICADO NA REVISTA AMARELLO

Leave a Reply