Mrs Dalloway ou a Menina dos Cravos.

Quinta é meu dia favorito. Aqui nos Jardins o trânsito para . As ruas do meu bairro ficam entupidas de carros . E no meio da babilônia a gente enxerga pequenas tendas listradas, coloridas responsáveis pela lentidão do tráfego : É ela, a feira.

Eu sempre acordo mais contente nesse dia, parece que a região onde moro renasce , muda de cor. As lojas chiques do baixo Oscar Freire cedem espaço para a forma de mercado mais antiga que existe : a feira livre. Ao lado dela há dois supermercados, mas sua valentia dá de ombros e ela se mantém ali , firme e forte. O que me chama atenção é que seu formato permanece intacto, há anos. Apesar de toda a modernidade , os alimentos seguem ali dispostos em bacias plásticas,  caixotes , as frutas todas encaixadas em degraus coloridos – na feira o tempo passa em outra velocidade . Lá a rede social não faz sentido, whatsapp é desnecessário, e mail não possui qualquer serventia .

Barulhenta, cheia de vida, com diferentes pessoas convivendo, conversando . A vitalidade da feira me encanta, todo mundo cabe ali . Um ótimo antídoto anti-solidão,  ali não passamos pela com a sensação de sermos invisíveis, como muitas vezes nos sentimos nas ruas de São Paulo . Ninguém  ali tem muita pressa : É preciso pegar as frutas nas mãos, sentir sua textura , ver a cor dos legumes. Isso exige acima de tudo disponibilidade e tempo .

 Entre as barracas listradas , te olham nos olhos, disputam sua atenção, te paqueram , te dão pedacinhos de fruta . Somos o tempo todo convocados . Gosto de passear por seus corredores , ver as frutas brilhando, os temperos, os peixes, o frango, água de coco , pastel e finalmente : As flores .

A barraca dos  seu Jaime  e da Dona Ilma tem uma história bem antiga na minha vida. Toda semana meu pai comprava flores para a nossa casa. Lírios para minha mãe, cravos para mim. De mocinha adorava chegar da escola em casa e ver aquele vaso enorme na sala, lírios brancos , imponentes. Minha mãe sempre escolhia um vaso que combinasse com a decoração ,  eles sempre acabavam brigando pois ele também queria escolher o vaso, palpiteiro que era. E No meu quarto havia sempre um vaso pequeno, com uma dúzia de cravos bem delicados. Na quinta feira,  eu tinha certeza que eu e nós duas éramos muito amadas . Prova disso era o perfume que invadia nossa casa nesse dia e durava por uma semana toda.

Logo que me casei , comecei a fazer feira. Me sentia assim , dona de minha casa , de minha família , adulta , quando descia a rua para fazer as compras semanais . A primeira coisa que fiz, ao mudar,  foi comprar flores para minha sala.  Cheguei na feira dizendo ao Seu Jaime  que era filha de  um antigo cliente. Para minha surpresa ele não se lembrou dele. Fiquei sem graça, saí sem desconto – mas comprei logo uma Hortência. Linda, redonda, só minha . Quando relatei ao meu pai o que havia ocorrido ele me disse: Da próxima vez, fale que é você a menina dos Cravos. E assim foi. Nunca mais saí sem desconto. Nem sem uma rosa de brinde .

Depois comecei a comprar cerejeiras ( que embora lindas ,sujam a casa ), astromélias ( que são mais baratas e rendem lindos arranjos), cravínias ( que são flores pequeninas mas que juntas parecem uma revoada de pequenos passarinhos) , girassol ( que me lembra minha melhor amiga) , violetas (que sempre renascem , uma surpresa!) rosas e tantas outras lindas flores para enfeitar minha casa. Descobrindo-as era um jeito de descobrir algo muito feminino meu  , meu lado dona de casa .

Subo minha rua com meu buquê de flores como  uma criança que acaba de conhecer uma melhor amiga e logo sai de mãos dadas. Chego em casa sonhando com o vaso no qual elas vão morar e escolho um lugar para que elas recebam sol e possam ser reverenciadas por quem entra. Sempre que alguém chega em casa encontra um vaso florido. E mesmo se seu estiver muito triste, nunca me esqueço de comprá-las .

Uma das últimas refeições que fiz em família foi na feira. Comemos eu ele e minha mãe o mesmo pastel, nos encontramos por coincidência . Na frente da barraca do Seu Jaime , uma semana antes de ele entrar em coma . Toda vez que eu passo por lá eu agradeço por ter vivido essa memória nesse cenário . Se tenho vontade de comer um pastel as dez da manhã , eu cedo. Mas Lírios e Cravos eu nunca mais comprei .

 

PUBLICADO NA AMARELLO ROMANCE

Deixe uma resposta